Três Lagoas fechou 2021 com saldo de 2.624 novos empregos

Três Lagoas encerrou o ano de 2021 com saldo positivo de 2.624 postos de trabalhos criados, de acordo com dados fornecidos pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Apesar de um ano atípico e com grande número de pessoas perdendo seus empregos, por conta da Pandemia, o Município conseguiu registrar um saldo otimista.

Ao longo do ano passado, a cidade registrou 21.370 admissões e 18.746 desligamentos, fechando o ano com saldo de 2.624 vagas geradas. O resultado foi liderado principalmente pelo setor de serviços com 7.611 contratações, seguido da indústria com criação de 5.300 vagas e comércio com 4.527 novos postos de trabalho.

O índice representa o melhor desempenho nos últimos cinco anos, em 2020, Três Lagoas fechou os doze meses com saldo de 158 empregos gerados, em 2019 índice de 753 positivo, 2018 com saldo negativo de 518 e o pior ano em 2017, com menos 3.926.

De acordo com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (SEDECT), os números referentes às contratações em 2021 justificam-se por conta dos investimentos públicos que não cessaram; a continuidade das atividades administrativas das  indústrias mesmo que em home-office e o setor de serviços que continuou em pleno funcionamento durante este período.

QUARTO LUGAR

O último levantamento divulgado pelo CAGED de 2022 é referente ao mês de fevereiro, nele Três Lagoas aparece em quarto lugar no ranking das cidades que mais contrataram em Mato Grosso do Sul.

A cidade caiu uma posição comparada aos meses anteriores quando o Município costuma manter a terceira posição, ficando atrás somente de Campo Grande e Dourados. No mês dois a classificação ficou a seguinte: Campo Grande – 2.705; Dourados – 694; Ribas do Rio Pardo -525 e Três Lagoas – 496.

Para a SEDECT a ligeira queda no ranking está relacionada ao grande número de contratações de trabalhadores em Ribas do Rio Pardo que recebe a construção da maior unidade de produção de celulose do mundo, que demanda grande número de trabalhadores temporários.

(*) Hojemais