“Se você chorar, eu mato o seu pai”, ouviu menino de 10 anos feito refém

Horas depois de ser feito refém de dois bandidos armados, nesta terça-feira (26), no Bairro Nova Lima o fretista, de 49 anos, lembra o desespero de ter uma arma apontada para a própria cabeça, diante do filho, de apenas 10 anos, que também foi rendido pelos criminosos.

“Me amordaçaram e falaram para o meu filho ‘se você chorar, eu mato o seu pai’ enquanto um deles batia a ponta da arma na minha nuca”, conta o morador, ainda visivelmente abalado. O fretista estava prestes a levar o garoto para a escola, quando os dois foram surpreendidos pelos criminosos em sua residência. A dupla se mostrou interessada em saber o valor de um frete para enganar a vítima.

“Eles me renderam no portão e já levaram a gente para dentro, falavam ‘não olha, não olha’”, lembra. Pai e filho foram amarrados ainda na sala da residência, com fios de nylon e braçadeiras, conta a vítima. O morador suspeita que a sua residência estava sendo monitorada pelos assaltantes.

A todo tempo eles repetiam que queriam os celulares das vítimas, dinheiro e a chave da F-4000 que pertence à família. O veículo estava estacionado na frente do endereço. “Meu filho não estava achando o celular dele e chorava. Mas o bandido repetia ‘não chora, se não o seu pai vai morrer’. Eu pensei que eles iriam me matar, desabafa.

Depois que a chave do veículo foi encontrada, pai e filho foram levados para o banheiro de um dos quartos da residência. “Aí pegaram a capa do sofá e jogaram em cima da gente”, conta. Como não tinham como trancar as vítimas, já que o cômodo não tem porta os assaltantes teriam dito que um terceiro comparsa ficaria de prontidão em frente à residência, para evitar que eles deixassem o local.

Como temia que a esposa chegasse do trabalho e também fosse feita refém o fretista preferiu arriscar, esperou alguns minutos, e foi se arrastando até a cozinha onde pegou uma tesoura e libertou o filho. Na sequência a criança também cortou as amarras do pai. “Foi tudo muito rápido, eu só conseguia pensar no meu filho”, conclui.

Foi o próprio fretista que fez a ligação para o 190 informando sobre o roubo. A F-4000 levada pelos bandidos foi abandonado em rua do Jardim Presidente, bairro próximo ao Nova Lima, e passará por perícia antes de ser encaminhado à Defurv (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos). O frentista também prestou depoimento na delegacia, na noite desta terça-feira (26).

Investigadores da Polícia Civil e policiais militares, inclusive do Batalhão de Choque ainda estão à procura dos assaltantes.

(*) Campo Grande News