Há 4 anos, pai de santo era morto em terreiro de umbanda por ‘parceiro amoroso’ em Campo Grande

No dia 31 de julho de 2018, o Pai de Santo Michael Morgan Noronha Andreoli, de 57 anos, foi asfixiado com um fio, morto e encontrado seminu na própria casa, no bairro Vila Piratininga. Na época as autoridades policiais trabalhavam com a possibilidade de homicídio ou latrocínio. Mas uma das linhas de investigação foi descartada após uma reviravolta no caso, com o depoimento do autor. Relembre este caso, e entenda a série de fatos que levaram ao crime.

O pai de santo foi encontrado morto na sua casa, pelo filho, onde funciona um terreiro de Umbanda. O filho da vítima disse na delegacia que o pai era pai de santo e tinha o costume de buscá-lo no serviço e levá-lo até a sua casa, mas na segunda-feira (30) de agosto de 2018 não o fez. Então, estranhando o sumiço do pai, o homem foi até a sua casa.

Quando chegou na residência encontrou o imóvel revirado e Michael morto enforcado com um fio de ventilador deitado no chão e sem as roupas de baixo. Da casa foram levados um celular, um notebook e a carteira da vítima. O filho não soube dizer quem poderia ter cometido o crime.

No dia em que o corpo foi encontrado, o delegado Hoffman D’Ávila disse que as linhas de investigações eram de homicídio e latrocínio, já que a hipótese de suicídio foi descartada pela posição como o corpo foi encontrado e pelo fato da casa ter sido revirada e objetos levados.

O caso foi investigado pela 5º Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande. Uma amiga de Michael contou ao  que ele era uma pessoa pacata, tranquila e nunca soube de alguém com quem o pai de santo tivesse problemas.

Investigação acredita que crime foi de latrocínio

No dia 2 de agosto daquele ano, a polícia concluiu que o assassinato do pai de santo Michael Morgan Noronha Andreoli, de 57 anos, tratava-se de um latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte. E o caso passou a ser investigado pela Derf (Delegacia de Roubos e Furtos).

Segundo informações do delegado da 5ª Delegacia de Polícia, Gustavo Bueno, “há indicativos que levaram a polícia a tratar o crime como latrocínio”, disse ele se referindo aos objetos que foram levados.

Suspeito é identificado, e dúvidas sobre a qualificação do crime reaparecem

Em 13 de agosto de 2018, a polícia já tinha um suspeito para o assassinato de Michael Morgan Noronha Andreoli, de 57 anos, encontrado morto em sua casa.

Segundo o delegado Matheus Zampiere da Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos), a polícia já teria identificado um suspeito, mas ainda falta saber a motivação para o crime. “Não sabemos na realidade se foi latrocínio ou homicídio seguido de furto. Já que o autor pode ter roubado os objetos da casa para ocultar provas do crime”, explicou Zampiere.

Prisão, chantagem e reviravolta no caso

Já no final do mês de agosto, no dia 30, uma capa de celular ajudou os investigadores da 5ª Delegacia Civil a chegarem até o autor do assassinato. O objeto foi encontrado na casa de  Rodrigues, de 24 anos, e reconhecido pelo filho da vítima.

Durante buscas na casa do principal suspeito, os policiais encontraram a capa de um celular e levaram para reconhecimento. O filho da vítima apontou como sendo objeto pessoal do seu pai, já que “tinha cheiro do perfume dele”.

Leonardo foi preso na casa de um amigo, na quinta-feira (30) de agosto, e teria confessado o crime. Ao delegado responsável pelo caso, Ricardo Meirelles, o suspeito justificou que estava sendo chantageado por ter um “caso” com o pai de santo.

Por depoimento, o autor relatou que se encontrava escondido com Michael e começou a ser chantageado por ele. Com medo que as pessoas descobrissem a relação entre os dois, Leonardo marcou um encontro e enforcou o pai de santo com um fio de telefone.

pai de santo morto
Delegado responsável pelo caso na época, Ricardo Meirelles (Foto: Arquivo / Jornal Midiamax)

Segundo o autor do homicídio, imagens com cena de sexo gravadas sem consentimento estariam no computador e no celular da vítima e por isso os itens foram roubados após o assassinato.

A Polícia Civil foi até o terreiro onde o homem atendia, na Vila Piratininga, e encontrou uma falsa lâmpada com uma câmera de filmagem escondida dentro.

Além da capa do telefone, na residência de Leonardo também foi encontrada 500 g de cocaína divididas em 26 trouxinhas.

Para o delegado Ricardo Meirelles, o autor é “uma pessoa perigosa porque além de cometer um assassinato cruel ele também traficava. Além disso, tinha passagem por tráfico de drogas”.

Condenação e mudança na qualificação do crime

No dia 4 de junho de 2019, o júri condenou a 14 anos de prisão o pintor Leonardo Rodrigues Jure, de 25 anos, pela morte do pai de Santo Michael Morgan Andreoli Noronha.

Segundo sentença proferida pela juíza Denise Barros Dodero, durante julgamento realizado nesta terça-feira, no Fórum da Capital, o réu foi condenado por homicídio qualificado por meio cruel e por recurso que dificultou defesa da vítima. Ele foi absolvido do furto do notebook e celular de Michael.